26 de fev de 2012

Para Resbalar.

Quero que seja imperfeito
Ao tocar seu violão.
Dedilhado malfeito...
Ou desafinação.

Quero, por estranho que pareça,
Um trôpego inclinar de cabeça,
Quiçá, um sorriso que aconteça,
Para que sussurre na contramão.

E, se assim desejar,
Que desistamos de ensaiar!
E caminhemos de volta.

E, se a plateia nos vaiar
Serei eu o primeiro a gritar:
“Pois a mim não importa!”

Mas se insistir, que continue errando!
E permita meus olhares enviesados,
Com aquele trôpego sorriso nos lábios,
Antes que eu cubra o piano.

E se notar meu descompasso,
Que sorria (como eu sempre faço!)...
Que rascunhe um abraço,
Ou então nem ouse me olhar!

E, se for embora,
Pois que vá agora!
E bata a porta ao passar.

Ou então, que fique,
Mas, como eu disse,
Não pare de errar.

Um comentário:

  1. Para Resbalar é um dos meus favoritos entre os seus gêmeo, e entre muitos.

    "E, se for embora,
    Pois que vá agora!
    E bata a porta ao passar.

    Ou então, que fique,
    Mas, como eu disse,
    Não pare de errar."

    essas duas estrofes são tão... fortes. Amo Resablar <3

    ResponderExcluir