26 de fev de 2012

Joelhos Ralados.

Pequenino garoto de ferro,
Não, não se engane,
É muito mais garoto de sangue,
E coração enferrujado.
É inocência de joelhos ralados,
Mas não se zangue,
Pois todo mundo rala os joelhos
De vez em quando.

Quem nunca caiu,
É porque nunca roubou amoras do pé.
Quem nunca chorou?
Quem nunca desabou?
Quem nunca perdeu a fé?

Deixe-se enferrujar, pequeno.
Chore! Chore! Chore!
Porque quem nunca chora 
Tem a alma seca.
Deixe que se perca,
Deixe que vá embora.

Sua força não é de olhos secos,
É de peito aberto,
É de sorriso certo,
Sua força é de ter medo.

Sua força é um apertado abraço,
É a persistência do nó sob o laço,
É o carinho que eu mesmo faço,
No seu peito metálico.

Não se importe, 
Nem fique assim, calado,
Cante a dor que te aflige.
Faça soar as cicatrizes,
Do seu joelho ralado.

Mas não se zangue,
Como sei que faz há meses
Porque todo mundo rala os joelhos...
Às vezes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário