13 de fev de 2013

Soneto de Confete.

(ou confete de soneto)

enrolada em serpentina
pintou de cinza a cara
pierrot de quinta
ou arlequina barata

bailarinou, a pequenina
fingindo alegria inata
e caiu torta na esquina
enquanto a banda passava

anoiteceu sozinha,
amanheceu rotina,
na boca o gosto de felicidade.

escorreu pela pia da cozinha
pintando a cara de cinzas
pr'uma vida que não é verdade.

2 comentários:

  1. Poema do Lipongo. <3
    Sempre adoro. *-*

    "anoiteceu sozinha,
    amanheceu rotina"
    Lindo.

    ResponderExcluir
  2. "anoiteceu sozinha,
    amanheceu rotina,
    na boca o gosto de felicidade.

    escorreu pela pia da cozinha
    pintando a cara de cinzas
    pr'uma vida que não é verdade."

    um fato: é impossível não cotar seus poemas, Gêmeo. <3 Amei esse!!

    ResponderExcluir