15 de fev de 2016

Caverna


encontro-me ao tatear as cinzas da tua beleza:
estão rabiscadas em carvão e parede áspera
mas posso jamais tocá-la, qual grande graça
fixa aos meus próprios olhos, cor de incerteza.

sinto a maciez das tuas pétalas, a curva de teu murchar
e quero você em meu altar, sendo artista e sendo plateia
mas esse querer é senão sombra efêmera e vulgar
de uma tarde regular no meu mundo das ideias 

o que farei, enfim
quando esta parede desmoronar
ou esta luz sumir no entardecer?

ficarei então preso à batalha 
de querer sem poder tocar,
ou tocar sem jamais querer?


(foto de: https://www.instagram.com/fineart.photography/)

(poeminha escrito para um saudaoso Campeonato de Textos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário